Universidades federais e estaduais têm greves de professores e servidores no Ceará

  • 15/04/2024
(Foto: Reprodução)
Universidades federais têm atividades dos professores paralisadas a partir desta segunda-feira (15). Outras categorias e instituições estão com movimentos de greve iniciados desde março. Professores da UFC, UFCA e Unilab definiram pela adesão à greve, que começa nesta segunda-feira (15) Divulgação/ADUFC Professores e servidores de sete instituições de ensino superior estão em greve no Ceará, com movimentos que iniciaram no mês de março e outros que têm atividades paralisadas a partir desta segunda-feira (15). As categorias têm reivindicações que incluem recomposição salarial e melhorias nas condições de trabalho. ✅ Clique aqui para seguir o canal do g1 Ceará no WhatsApp Dentre as pautas defendidas, está a campanha salarial de professores das universidades federais, que se unem à mobilização nacional para contestar a proposta apresentada pelo governo federal de reajuste de 0% em 2024 e de 9% a ser pago em duas parcelas em 2025 e 2026. Confira as instituições federais e estaduais em greve no Ceará: Universidade Federal do Ceará (UFC): servidores técnico-administrativos (desde 11 de março) e docentes (15 de abril) Universidade Federal do Cariri (UFCA): servidores técnico-administrativos (desde 11 de março) e docentes (15 de abril) Universidade Federal da Integração Luso-Afro Brasileira (Unilab): servidores técnico-administrativos (desde 11 de março) e docentes (15 de abril) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará (IFCE): servidores técnico-administrativos e professores (desde 11 de abril) Universidade Estadual do Ceará (Uece): professores (desde 4 de abril) Universidade Regional do Cariri (Urca): professores (desde 4 de abril) Universidade Estadual do Vale do Acaraú (UVA): professores (desde 10 de abril) Em nota, o Ministério da Educação (MEC) afirma que “vem envidando todos os esforços para buscar alternativas de valorização dos servidores da educação, atento ao diálogo franco e respeitoso com as categorias”. Em relação às universidades estaduais, o Governo do Estado propôs a abertura de uma mesa de negociações com representantes dos professores. Universidades federais A paralisação dos professores da UFC, UFCA e Unilab, que começa nesta segunda-feira (15), foi definida em assembleia na última terça-feira (9). A categoria dos docentes acompanha a mobilização nacional que reivindica a recomposição salarial de 22,71%, com pagamento parcelado de 7,06% em 2024, 2025 e 2026. Outras pautas incluídas no movimento paredista são a equiparação de benefícios entre os servidores dos três poderes, recomposição do orçamento das universidades, melhores condições de trabalho, reestruturação da carreira docente e revogação de medidas consideradas prejudiciais aos servidores. O MEC informa que o reajuste de 9% foi promovido no ano passado pelo governo federal. No entanto, as entidades sindicais contestam a proposta, afirmando que o reajuste é de 0% para 2024 e que o percentual de 9% é dividido em duas parcelas de 4,5%: a primeira a ser paga em maio de 2025 e a segunda em 2026. Servidores técnico-administrativos das três universidades federais no Ceará também estão paralisados desde o dia 11 de março. Conforme informações do Sindicato dos Trabalhadores das Universidades Federais no Estado do Ceará (Sintufce), as reivindicações incluem a reestruturação do Plano de Carreira dos Cargos Técnico-Administrativos em Educação, incluindo a recomposição salarial. LEIA TAMBÉM: Greve de professores e funcionários: quase 300 campi de institutos federais estão sem aula Ainda conforme o MEC, equipes do Ministério estão participando da mesa nacional de negociação e das mesas específicas de técnicos e docentes instituídas pelo Ministério da Gestão e Inovação em Serviços Públicos (MGI), além de mesa setorial para tratar de condições de trabalho. Uma nova rodada de diálogo na mesa nacional de negociação com o governo federal e entidades sindicais foi realizada na última quarta-feira (10), com a manutenção da proposta de reajuste salarial já anunciada pelo governo. Em entrevista à Empresa Brasileira de Comunicação (EBC), a ministra da Gestão e da Inovação em Serviços Públicos, Esther Dweck, detalhou alternativas apresentadas para reajustar auxílios e benefícios dos servidores públicos federais. A proposta do governo foi de elevar o auxílio-alimentação de R$ 658,00 para R$ 1 mil e reajustar em 51% os valores de auxílio-creche e de assistência à saúde complementar per capita média (também chamado de auxílio-saúde). Em posicionamento oficial, o Sindicato dos Docentes das Universidades Federais do Estado do Ceará (ADUFC) afirmou que as entidades sindicais ficaram frustradas com as propostas. Uma caravana de docentes, técnicos e estudantes se organiza para aderir à mobilização nacional com ato em Brasília na próxima quarta-feira (17). Assista aos vídeos mais vistos do Ceará:

FONTE: https://g1.globo.com/ce/ceara/noticia/2024/04/15/universidade-federais-e-estaduais-tem-greves-de-professores-e-servidores-no-ceara.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Peça Sua Música

No momento todos os nossos apresentadores estão offline, tente novamente mais tarde, obrigado!

Top 5

top1
1. Cobaia

Lauana Prado

top2
2. Cem Mil

Gustavo LIma

top3
3. Surto de Amor

Bruno e Marrone

top4
4. Refém

Dilsinho

top5
5. Pra Você Acreditar

Ferrugem

Anunciantes